Armários

Um candidato à presidência associa a homossexualidade à pedofilia, diz que é preciso “enfrentar essa minoria” . Quando perguntam se ele é homofóbico, a resposta é “homofóbico, eu? Imagina, só coloquei a situação da maneira correta”.

Um pai de família faz piadas com gays, ri de travestis na rua e “não gostaria de ter um filho gay”. Quando perguntam se ele é homofóbico, a resposta é “homofóbico, eu? Imagina, eu nunca agredi nem nunca vou bater em um gay”.

Um ator famoso é conhecido por sair com homens e por gostar de outros homens. Quando perguntam se ele é gay, a resposta é “gay, eu? Imagina, com quem eu saio não tem nada a ver com vocês”.

Um jogador de futebol chama o namorado de primo na frente dos outros e pede para uma amiga dar um selinho para “ser flagrado com uma loira”. Quando perguntam se é gay, a resposta é “gay, eu? Imagina, gosto mesmo é de mulher”.

Uma garota chama um jogador de macaco no meio de um jogo de futebol, repetidas vezes. Quando perguntam se é racista, a resposta – em prantos – é “racista, eu? Imagina, não tive a intenção racista. Foi no calor do jogo”.

Um autor branco escreve uma série sobre garotas “da favela” com título controverso sobre mulheres negras. Quando perguntam se é racista, a resposta – furiosa – é  “racista, eu? Imagina. É uma obra de ficção, vocês que estão sendo preconceituosos”.

Um homem conta – e ri – de piadas de loira, chama a chefe/esposa de ‘mal comida’ e diz que mulher feia deve agradecer quando é estuprada. Quando perguntam se é machista, a resposta é “machista, eu? Imagina, era só uma brincadeira”.

Uma mulher julga outra pelo tamanho do corpo, quantidade de homens que transou; fala que não deve nada ao feminismo. Quando é perguntada se é machista, a resposta é: “machista, eu? Imagina, sou humanista”.

Uma mulher acredita na igualdade de oportunidades, quer que mulheres e homens tenham salários iguais, odeia ser cantada na rua. Quando perguntam se é feminista, a resposta é “feminista, eu? Imagina, sou feminina, não feminista”.

Um médico olha para a paciente, não a examina, não pergunta qual é o problema de saúde que ela tem e já lhe dá uma dieta como receita. Quando perguntam se é gordofóbico,  a resposta é “gordofóbico, eu? Imagina, estou falando apenas pela sua saúde”.

Um senhor votou no 45/13 nas últimas 3 eleições presidenciais e governamentais. Quando perguntam se é tucano/petista, a resposta – indignada – é “tucano/petista, eu? Imagina, sou apartidário“.

 

***

O Brasil é um país que precisa sair do armário. Urgentemente.

Anúncios

Beijo gay, abraço gay e homofobia hétero

Conversava com um grande amigo meu sobre primeiro encontro. Ele, ansioso, não sabia se devia ou não cumprimentar o garoto que havia conhecido na semana anterior – e com quem havia trocado muuitas mensagens – com um selinho, um beijo na boca ou um no rosto. Ri um pouco, não deixei ele terminar o seu anseio e já fui falando que isso era um medo normal. Que todas as minhas amigas passavam por isso, de não saber muito bem o que fazer no ‘primeiro encontro do primeiro encontro’. Ele logo me interrompeu falando que, não, não era essa a saia justa a qual ele se referia: ele não sabia se deveria ou não beijar o pretendente porque não sabia se o shopping escolhido para o encontro era seguro ou hostil com um beijo entre dois garotos.

Esse medo, pequeno medo do meu amigo, me atingiu como um raio. Eu, heterossexual, nunca saberei o que é essa sensação de vigilância e medo enquanto saio com meu namorado. Não preciso me preocupar com o local de nenhum encontro porque, a priori, todos os shoppings, praças, ruas e avenidas aceitam beijos entre casais heterossexuais. E, a não ser que esteja fazendo algo realmente indevido com meu namorado em público, ninguém vai me repreender. Nem preciso falar o quanto essa diferença de tratamento me deixa frustrada.

***

625_315_1391217478Felix_e_Niko_se_beijam

Na última sexta-feira (31.1), a rede Globo transmitiu um beijo entre dois homens na novela das oito/nove, “Amor à Vida”. Comemorado como um gol em final de copa do mundo em alguns pontos de São Paulo, o beijo entre os personagens de Mateus Solano e Thiago Fragoso foi mais do que esperado, uma vez que condizia com todo o trabalho dos atores, bem como com a história da novela. O capítulo teve 44 pontos de audiência média.

***

Já discuti em reuniões de família e fortemente ao escutar um querido tio meu dizendo que, da próxima vez que visse duas pessoas do mesmo sexo se beijando, ele iria intervir. Intervir em que? Por que? Por que tanto ódio? Para que?

***

Lembrei da conversa com o meu amigo não por causa do Félix, mas por causa dessa reportagem do iGay,  que capta a reação do mais variado tipos de pessoas a um beijo e a uma troca de carícias de um casal de pessoas do mesmo sexo. No geral, as reações são negativas: vão de brincadeiras à hostilidade explícia. Pensei na conversa, na verdade, por causa do comentário de Iran Giusti, o repórter em questão, sobre como foi acompanhar esta reportagem nas ruas de São Paulo.  Foi uma das experiências mais tristes que já tive, disse Giusti.

Ainda não é fácil ser gay num país cuja homofobia é escondida em volta de piadas, intervenções, incômodos pessoais e “liberdade de expressão.

 

Sheik, sheik, sheik ….

A realidade supera a ficção constantemente. Em qualidade, quantidade e, lógico, em tamanho do nonsense.

Nessa manhã, uns torcedores de um popular time de futebol paulista resolveram sair do conforto de seus lares, num dia frio e foram lá protestar na frente desse mesmo clube.  Alguns outros não foram tão pró-ativos, mas acordaram nesta segunda-feira sentindo um certo mal estar quando o assunto era o seu clube do coração. O time em questão acabou de encostar nos líderes do campeonato, está em quarto lugar, apenas quatro pontos abaixo da primeira posição. Se o campeonato brasileiro acabasse hoje, esse time recém-ganhador de uma Libertadores poderia disputá-la novamente. Caramba, então contra que os torcedores se revoltaram?

Resposta: Contra isso:

Foto retirada do perfil de @10emerson10 no Instagram

Foto retirada do perfil de @10emerson10 no Instagram

Publicada ontem no perfil do instagram de Émerson Sheik , o cara de toca aí na foto, que também é o número 11 do Corinthians, a imagem mostra o jogador dando um beijo de leve, um selinho, em um amigo. O texto que se segue a ela é o seguinte: “Tem que ser muito valente, para celebrar a amizade sem medo do que os preconceituosos vão dizer. Tem que ser muito livre para comemorar uma vitória assim, de cara limpa, com um amigo que te apóia sempre. Hoje é um dia especial. Vencemos, estamos mais perto dos líderes. É dia de comemorar no melhor restaurante de São Paulo, o @Paris_6 , com o melhor amigo do mundo, Izac. Ah, já ia me esquecer, para você que pensou em fazer piadinha boba com a foto, da uma pesquisada no meu Instagram todo antes, só para não ter dúvida”.

A reação que veio a partir dessa imagem tem sido de um nível absurdo de nonsense. Além das “piadinhas” oportunas, dizendo que os corinthianos “vão deixar de roubar carteiras para roubar os pinto” (sic), ou que os corinthianos “são os verdadeiros bambis”, o que também pode ser observado foi um grande movimento por parte da torcida. Uns torcedores resolveram sair em defesa do beijo, apontando outras “vergonhas” de jogadores de clubes rivais, do São Paulo, na sua maioria. Outros, como contei de maneira lúdica, foram para a frente do estádio com faixas (sim, faixas! ) e exigiram uma retratação oficial do Sheik. Nos cartazes, pode-se ler “Vai beijar a ‘P.Q.P’… Aqui é lugar de homem” e “Viado não”.

Há alguns anos, conheci um jogador de futebol gay (um tanto famoso), ele me apresentou o namorado (um garoto bem bonito, diga-se de passagem) e comentou comigo que sofria muito por causa da diretoria e da torcida do seu time. Perguntei para ele se os seus colegas de time achavam ruim, por causa do vestiário e tudo mais. Ele me respondeu de maneira sincera: “Um homem hétero trabalha no mesmo ambiente de uma mulher, certo? E ele não fica assediando ela o tempo inteiro. A mesma coisa sou eu num vestiário ou num jogo, é o meu trabalho. Não é só porque tem um bando de homem pelado que vou lá chupar o pau de todos”. Ser gay, falou ele, não muda a minha qualidade técnica em nenhum momento. O problema da torcida não é com o futebol. Essa conclusão eu cheguei “sozinha”.

As faixas dos torcedores corintianos podem não falar um a sobre futebol como esporte, mas são eloquentes no quesito “homofobia futebolística”. Mostram a face daqueles (muitos) que creem, fielmente, que um homem deixa de sê-lo quando gosta ou beija outros. E daqueles que acreditam que um homem não pode agir de maneira mais feminina, pois isso o faz “perder o respeito”. Ou, pior, daqueles que não se dizem homofóbicos, e acham que a orientação sexual de uma pessoa é significado de piadas.  Daqueles que “não são homofóbicos, mas não querem ver essas safadezas na frente de todo mundo, né?”.

E eu pergunto, que respeito é esse? Que ideal de homem é esse que essa torcida corinthiana pede? Qual é o “homem com h” para esses donos dos arautos da macheza nacional? Quem merece ser condecorado? Quem merece a estrelinha azul-dourada (porque apenas dourada “é coisa de viado”)? Porque posso dizem um sem-número de jogadores de futebol que, apesar de gostarem muito de mulheres, não são em nada heróis. Mesmo assim, não tivemos torcedores reclamando. Ninguém foi lá fazer faixas contra Ronaldo ao saber que ele maltratou três travestis. Muito menos fizeram faixas e protestos contra o Bruno, goleiro do Flamengo que foi acusado de matar a ex-namorada de maneira cruel. Não vi um santista na frente do CT Rei Pelé quando o Fábio Costa foi acusado e obrigado a pagar um valor alto para uma garota que trabalhava no Santos, que foi abusada por ele DENTRO das dependências do time. Ninguém achou que esses nomes iam manchar a honra do time.

Mas, ok, um cara beijando outro vai.

Se esses torcedores têm tantos problemas com “jogadores que não se dão a respeito”, por que vão protestar contra uma foto de um beijo no instagram? Na minha sincera opinião, esses “homens com h” que se valem para reclamar de um jogador gay, de um comportamento gay, de um beijo gay se importam mesmo é com o cu dos outros. Freud deve explicar.

Enquanto isso, vou aplaudir a atitude e a coragem do Sheik. De ir contra o que todos acham. E mostrar uma coisa que deveria ser normal, mas ainda não é: o amor entre as pessoas.

A atitude, amigos, fala mais (e mais alto) do que qualquer discurso.